2 anos de lama invisível em Itatiaiuçu

Fevereiro marca os dois anos do acionamento do PAEBM da ArcelorMittal em Itatiaiuçu e famílias atingidas ainda esperam a reparação integral


No dia 8 de fevereiro completou dois anos do acionamento do Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração (PAEBM) da ArcelorMittal em Itatiaiuçu e os atingidos e as atingidas ainda esperam pela reparação integral. A Assessoria Técnica da Aedas, que acompanha as famílias atingidas no município, construiu com a participação de atingidos e atingidas a Matriz de Danos e a primeira etapa do Plano de Reparação Integral dos danos sofridos.


Os documentos foram entregues para a mineradora e estão em análise pela empresa. Está acordado que até 05 junho de 2021, seja assinado o Termo de Acordo Complementar, sob coordenação das Instituições de justiça que contemple todo o Plano de Reparação Integral dos danos individuais sofridos em razão do acionamento. As negociações vão continuar durante este período.


Para a atingida Eliana Teles Lopes, da comunidade de Pinheiros, a vida depois destes dois anos de acionamento ainda é de angustia e problemas financeiros. “Ainda tenho muita angustia, insegurança, medo e passando por dificuldade financeira. A Arcelor é a maior culpada por todos estes danos”. Mas Eliana ainda tem esperança e confia que este ano a reparação integral chega: “me sinto com esperança de que a reparação vai sair e que a Assessoria vai continuar nos acompanhando neste processo”.


O atingido Marcio da Piedade de Souza, de Pinheiros, afirmou que nestes dois anos pouca coisa mudou e que não será fácil conseguir um acordo justo para todos, mas tem esperança na reparação. “Estou esperançoso que vamos conseguir mudar a cabeça das autoridades para promover a justiça para todos. Não pedimos para estar nesta situação triste e infelizmente perdemos muitos amigos, que sequer verão este dia de reparação, mas esperamos que a luta deles e a nossa não seja em vão”, finalizou.


Já a atingida Arlete Custódia Ferreira, destacou que desistir não está nos planos: “ desistir não faz parte de pessoas sonhadoras, a gente não pediu para tá passando por isso, não estamos tirando proveito de nada, somos atingidos e quem manda na comunidade somos nós, não somos mercadorias que podem chegar aqui e fazer o que querem. Vamos continuar lutando pela reparação”.



Atingidos e atingidas


Dentro da zona de autossalvamento (ZAS), estão 205 núcleos familiares que declararam sofrer danos e ter terrenos dentro da ZAS. Desses 205 núcleos familiares, 84 núcleos familiares foram desalojados. Tiveram que sair de suas casas e estão morando em casas alugadas pela ArcelorMittal. Em sua maioria são caseiros(as), proprietários e moradores(as).


Os sitiantes, com terrenos na ZAS estão impossibilitados de usar a propriedade, mas não foram desalojados porque não moravam no local. A assessoria já cadastrou mais de 655 núcleos familiares, 205 dentro da ZAS e 450 fora das ZAS alcançando mais de 2200 pessoas atingidas em Itatiaiuçu.

No dia que marcou estes dois anos de lama invisível, as comunidades atingidas apresentaram suas pautas de reivindicação à empresa ArcelorMittal para que tenha agilidade no atendimento dos pedidos, além do reconhecimento de toda a comunidade como atingida. Alguns pontos que as comunidades destacam são:


- Reparação integral de todos os atingidos.

- Celeridade na aceitação da matriz de danos e início das indenizações.

- Manutenção digna dos terrenos da ZAS.

- Ações emergenciais para comerciantes e moradores das comunidades atingidas.

- Manutenção do auxílio emergencial como não-indenizatório por mais um ano.

- Que acionamento do PEABM não sirva de moeda de troca para adquirir nossos terrenos.

- Respeito à vontade e demandas dos atingidos.

- Sem passagem de transportes ou maquinários pra construção do Dique pela Comunidade de Lagoa das Flores.


Acionamento

As comunidades de Pinheiros, Vieiras e Lagoa das Flores sofreram alteração no seu modo de vida no dia 08 fevereiro de 2019, quando foi acionado o Plano de Ação da ArcelorMittal devido ao risco de rompimento na barragem Mina de Serra Azul. Diversas famílias foram enviadas para um hotel em Itaúna e depois realocadas em casas alugadas pela mineradora. No ano de 2021 cumpriu dois anos de vida provisória, dois anos de lama invisível, dois anos de espera pela reparação integral.







362 visualizações
  • WhatsApp Aedas
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram