20N: Dia da Consciência Negra




Quando se fala que dia 20 de novembro é dia da consciência negra, o que passa pela sua cabeça?


Por que existe esse dia se somos todos iguais?


O dia da Consciência Negra traz em memória a história e a riqueza de um povo que construiu o Brasil, história de uma sociedade construída sobre base abusiva e escravocrata. 20 de novembro não é uma data para ser comemorada mas sim problematizada. O termo CONSCIÊNCIA em resumo, descrito no dicionário de filosofia Nicola Abbagnano coloca que consciência é percepção e o conhecimento da realidade histórica e contemporânea que você indivíduo está inserido!


Portanto, 20 de novembro é uma convocação para você não fechar os olhos frente a realidade enfrentada por aqueles que majoritariamente são vítimas de uma realidade violenta, por conta da sua cor, cabelo e fenótipo que carrega. O dia de hoje também é um convite para refletir o passado, resgatar e valorizar nossa herança negra.


O dia da consciência negra e os atingidos e atingidas


Você sabia que o povo negro é a grande maioria nas comunidades atingidas pelo acionamento do PAEBM da ArcelorMittal em Itatiaiuçu -MG? De acordo com o diagnóstico socioeconômico realizado pela Assessoria Técnica Independente - Aedas, no total são 65,1% as pessoas autodeclaradas negras ou pardas. A maioria das pessoas autodeclaradas pardas está nas comunidades de Vieiras e Lagoa das Flores, enquanto a maioria das pessoas que se declaram pretas está em Pinheiros.


E por que discutir um Plano de Reparação Integral para o povo negro?


Com o acionamento do PAEBM pela ArcelorMittal, em Itatiaiuçu, e levando em consideração o que diz a Lei Federal n.º 12.288/10, que instituiu o Estatuto da Igualdade Racial, o Plano de Reparação Integral é uma oportunidade de abordar as desigualdades construídas ao longo da nossa história, e não enfrentadas de maneira sistemática e eficaz pela sociedade e pelo Estado, e pensar em possíveis instrumentos para, minimamente, corrigi-las.


E você sabia que pensar e propor caminhos para tratar das desigualdades raciais que o acionamento do PAEBM intensificou não é criar divisão entre as pessoas das comunidades, mas sim cuidar de um assunto que foi deixado em segundo plano no mundo em que nós vivemos? Pense sobre isso!











18 visualizações
  • WhatsApp Aedas
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram