Aedas contrata consultoria para identificar danos ao turismo, lazer, cultura e esporte na R2

A Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social de Minas Gerais (Aedas) contratou a Consultoria Técnica Especializada Campo – Cultura, Meio Ambiente e Patrimônio, para atuar na identificação, caracterização e levantamento de danos ao acesso às atividades de turismo, cultura e lazer da população atingida pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. O trabalho da consultoria se dá por meio da Assessoria Técnica Independente (ATI) da Bacia do Paraopeba, em Mário Campos, São Joaquim de Bicas, Betim, Igarapé e Juatuba, municípios que integram a região 2.


As atividades das consultorias técnicas especializadas são parte do trabalho da assessoria técnica e realizam estudos aprofundados em relação aos danos sofridos nos territórios atingidos. O objetivo central é obter dados ainda mais específicos sobre a situação vivida pelas comunidades. A Consultoria Campo foi fundada em 2012, é sediada em Belo Horizonte e possui uma trajetória de prestação de serviços em diversos projetos sobre os direitos culturais e territoriais das populações urbanas e rurais, e de povos e comunidades tradicionais.


Os Povos e Comunidades Tradicionais de Religiosidade Ancestral de Matriz Africana (PCTRAMA), presentes nos cinco municípios da R2 estão incluídos na pesquisa, bem como os PCTRAMA presentes em Mateus Leme.



Levantamento


A equipe da consultoria é composta por um grupo de pesquisadoras de diferentes áreas como geografia, turismo, arquitetura, antropologia, história e educação. São elas as responsáveis pelo levantamento de informações técnicas a partir de documentos oficiais municipais e estaduais, documentos públicos produzidos por organizações sociais que atuam com temas como cultura, lazer, esporte e turismo. A pesquisa teve início em maio de 2021 e tem finalização prevista para dezembro deste ano.


A partir do dia 20 de agosto, também será feita uma pesquisa direta junto às comissões de atingidos e atingidas, servidores públicos municipais e representantes de coletivos e movimentos sociais. A coleta de dados será por meio de reuniões remotas (via internet) e presenciais, com representantes da população.


Em outro momento, a equipe fará contato com representantes de organizações que têm contato direto com o objeto de estudo da consultoria, ou seja, os danos ao acesso às atividades de turismo, cultura e lazer. Serão consultados organizadores de festas tradicionais, de projetos de esporte, trabalhadores de atividades turísticas e agentes de defesa do patrimônio cultural dos territórios.


Como será?


As reuniões serão agendadas previamente com as/os representantes das comissões de atingidas/os, por meio de telefonemas feitos pelas pesquisadoras da consultoria (no final do texto informamos os números finais dos telefones de cada uma delas). Ao início de cada reunião, as pesquisadoras vão explicar as dinâmicas propostas, seu funcionamento, objetivo e produtos esperados. Vão também solicitar uma autorização formal (documento nomeado de TCLE: Termo de Consentimento Livre e Esclarecido) das pessoas participantes para o uso das informações e imagens produzidas durante o encontro com o objetivo exclusivo de construir a pesquisa técnica. Durante esses encontros, serão feitas dinâmicas rápidas participativas com rodadas de diálogos organizadas por roteiros de perguntas que vão garantir o caráter mais qualitativo e específico das informações.


A sistematização dos dados gerados nas reuniões será registrada e compartilhada com o público utilizando as ferramentas “mapas mentais” e “nuvem de palavras”. Mapas mentais são diagramas (desenhos) que indicam algumas relações importantes (como proximidade, hierarquia, gravidade, causa e consequência, por exemplo) entre idéias, objetivos, questões, expressos por meio de palavras-chave que vão sendo identificadas pelas pesquisadoras ao longo das rodadas de conversas. A nuvem de palavras também se apresenta como um diagrama construído com as palavras mais mencionadas durante os diálogos e depoimentos, indicando graficamente, através da diferenciação no uso de cores, tamanho e estilo das letras, essas relações.


Essas ferramentas possibilitam organizar de maneira resumida os principais assuntos, pensamentos e análises gerados durante a pesquisa participativa e se apresentar para as/os participantes de forma mais acessível. Isso é muito importante, sobretudo para garantir o direito das pessoas atingidas à sua participação informada em todas as etapas e situações do processo de busca pela reparação aos danos sofridos.


A consultoria especializada produzirá também, além dos relatórios técnico-científicos, uma cartilha publicada e uma plataforma digital que deverão apresentar em linguagem adequada uma caracterização das referências de cultura, esporte, lazer e turismo nos municípios, uma caracterização dos territórios onde foram identificadas, e resumos das principais informações sistematizadas e analisadas pela pesquisa, indicando os danos à cultura, esporte, turismo e lazer nos municípios atingidos.




157 visualizações
  • WhatsApp Aedas
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram