Medidas da educação e socioassistenciais são levantadas por atingidas e atingidos em mais uma RD

“Vou aprender a ler, pra ensinar meus camaradas. Vou aprender a ler, pra ensinar minhas camaradas”. Com violão e sorriso, os mobilizadores recebem os atingidos e atingidas. A sala é virtual, mas o contato é animado. O tema - “Educação e Serviços Socioassistenciais” – pauta a primeira pergunta, sobre o que é, afinal, educação.


As Rodas da Diálogo (RDs) na última quinta-feira (01) aconteceram por meio de 27 salas virtuais simultâneas, divididas entre as regiões 1 (Brumadinho) e 2 (Betim, Igarapé, Juatuba, Mário Campos e São Joaquim de Bicas) Nos espaços, após um primeiro momento de acolhimento, foi feita a contextualização da atividade e do tema, socialização dos pontos levantados, avaliação e encaminhamentos com as contribuições dos atingidos participantes. Ao todo, foram 32 medidas aprovadas nas rodas de diálogo.


Principais pontos discutidos


Segundo Pedro Táboas, assistente social da Aedas e coordenador do eixo Educação e Serviços Socioassistenciais na R1, é importante lembrar que tanto educação quanto assistência social são direitos garantidos por lei de todos os brasileiros e brasileiras na Constituição Federal de 1988. “Conversamos da importância da educação para a construção de uma sociedade justa e igualitária”, explica Pedro, frisando, ainda, que foram trabalhados os programas e benefícios da assistência social além da organização nos territórios municipal, estadual e nacional.


Dentre os principais tópicos levantados durante a discussão, estão a educação como projeto de vida; o acesso à informação como um direito; proteção à família; as definições sobre Educação no Brasil; a Política de Assistência Social, LOAS e SUAS; instituições, entidades, programas, projetos e benefícios de assistência social; o Núcleo Familiar e a PNAS; termos da assistência Social, entre outros.


Caminho da reparação integral


Em relação aos próximos passos para o eixo Educação e Serviços Socioassistenciais, Cecília Godoi, coordenadora do eixo na R2, traz que a equipe da Aedas está sistematizando o material produzido nos GAA's e nas RD's, para seguir rumo à fundamentação dos danos e medidas. “O processo do DRP que se encontra na fase da fundamentação, nos orienta para necessidade de um mapeamento do equipamento local a fim de aprofundar o sobre trabalho acerca da viabilidade para as medidas. Temos como horizonte, sistematizar o quantitativo de escolas e espaços educativos, bem como os órgãos em SSA das regiões que assessoramos para criarmos um material que siga orientando, cada mais e melhor, a população atingida sobre seus direitos e modos de acessá-los”, frisa Cecilia.


Ela traz, ainda, que está previsto o planejamento de materiais que venham a suprir a demanda por acesso à informação, reorganização de espaços e/ou momentos para construção da reparação integral que envolvam arte, cultura e lazer, cumprindo com o papel da educação.


As medidas levantadas foram aprovadas pelos participantes das RDs e comporão a matriz emergencial de danos a serem levados para o juiz, no processo de busca pela reparação integral. “Espero que o juiz faça a Vale cumprir nossos pedidos”, afirmou enfaticamente um atingido que participou de uma RD da zona rural de São Joaquim de Bicas.


Confira cartilha


Os danos causados pelo desastre na educação são temas de mais uma cartilha produzida pela Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social (Aedas). O material também apresenta conceitos importantes sobre a assistência social. Confira aqui.



AEDAS - Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social

© 2017 -  Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social

Rua Frei Caneca, 139, Bonfim - Belo Horizonte / MG - CEP: 31.210-530