Questões sobre a água recebem destaque em Roda de Diálogo Socioambiental

Na última quinta-feira (24), aconteceu a quarta Roda de Diálogo (RD) das regiões 1 e 2 da Bacia do Paraopeba. A ação teve como objetivo validar medidas emergenciais com diferentes comunidades sobre os danos socioambientais causados após o rompimento da Barragem Córrego do Feijão. Famílias atingidas em Brumadinho, Betim, Igarapé, Juatuba, Mário Campos e São Joaquim de Bicas participaram do espaço organizado pela Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social (Aedas).


Com diversas salas virtuais simultâneas, divididas entre as regiões 1 e 2, foi apresentada e discutida junto com as comunidades a sistematização, das demandas emergenciais levantadas em quase 300 Grupos de Atingidas e Atingidos (GAAs), sobre a temática socioambiental. Nos espaços, após um primeiro momento de acolhimento, foi feita a contextualização da atividade e do tema, socialização dos pontos levantados, avaliação e encaminhamentos com as contribuições dos atingidos participantes.


Principais pontos debatidos


Ao todo, 51 medidas emergenciais foram validadas. Elas são divididas nas categorias “Água”, “Saneamento”, “Ar”, “Solo”, “Fauna e Flora” e “Insegurança de outras barragens”. A água foi a questão central, pois no levantamento feito pela Aedas durante os GAAs, 63,1% da pessoas relataram problemas relacionados a ela. Tanto que das 51 medidas, 26 foram referentes ao assunto, tais como a melhoria na qualidade e quantidade de água para abastecimento, acesso à informação sobre projetos e qualidade das águas, recuperação de recursos hídricos e redução de danos de enchentes. "Esse negócio de agendar água, você agenda e demora demais, aí depois vem água duas vezes em um dia, tem que ficar ligando pedindo água quando tá precisando, às vezes tá sem crédito tem que procurar o vizinho pra pedir telefone emprestado pra ligar e pedir água, é uma bagunça muito grande", disse um atingido em uma Roda que compreendia a região de Citrolândia, em Betim. Já na Roda de Diálogo com atingidos e atingidas de Ponte das Almorreimas, a situação de dano constante fica ainda mais evidente. A reunião ficou com uma participação muito abaixo do normal por conta de uma obstrução na via que dá acesso à comunidade, causada por uma explosão de rocha sem aviso. Dos que conseguiram participar, houve o relato: "Eu tenho filmagem, eles tiram água do rio e jogam na estrada, eles contaminaram a estrada com água do rio, eles questionam 'meio salário pra Brumadinho', sendo que Brumadinho todo é aguado com essa água contaminada", desabafa uma pessoa atingida. Em relação ao solo, foram apresentadas quatro medidas agrupadas em nos blocos: uso do solo, manejo do rejeito e acesso à informação. Sobre a fauna e a flora, foram 9 medidas, em 4 blocos: manejo e controle de animais silvestres, peçonhentos e insetos, cuidados com os animais de criação, recuperação e manejo de áreas degradadas e sobre a necessidade de um ambiente saudável e serviços ambientais.


Também haviam medidas que englobam a qualidade do ar, os prejuízos da poluição sonora e mais uma vez o acesso à informação em relação a qualidade do ar. E, no que se refere ao saneamento, foi dada ênfase para as demandas por melhorias na drenagem urbana ou rural e no esgotamento sanitário, além da gestão de resíduos sólidos. A necessidade de acesso à informação, com pesquisas e levantamento independente da Vale, é uma medida presente em todas as categorias.


Para Rafael Donizete, mobilizador da Aedas em Brumadinho que coordenou a reunião com moradores do Centro, Jota, Bela Vista e Planalto, a RD sobre questões socioambientais foi positiva e já era esperada uma participação e envolvimento das comunidades afetadas pelo rompimento. “Esse foi um tema que gerou muitos relatos, muitas propostas dos atingidos nas atividades que fizemos antes dessa etapa”, conta Rafael.


Cartilha preparatória


Na cartilha que foi pela equipe da área socioambiental da Aedas, especialmente para esse momento da Roda de Diálogo sobre o socioambiental, podemos destacamos a seguinte reflexão: "A perda da Biodiversidade e a contaminação do rio, dos poços e dos córregos prejudicam, ainda hoje, o cotidiano das famílias que vivem da pesca e das atividades agropecuárias, e, também, todas as pessoas que dependem ou dependiam do turismo e da economia local das regiões atingidas."


Leia mais baixando a cartilha socioambiental


Participação Para Estela Maia, mobilizadora da Aedas na Região 2, a participação qualificada nesse contexto de distanciamento ainda é um desafio por alguns motivos. "Disponibilidade de tempo, tirar 2 dias da semana durante a noite pra acompanhar uma reunião dificulta, principalmente pras mulheres, pois além da rotina de trabalho, cuidam dos filhos e das outras tarefas de casa. E a própria questão da comunicação, pois a tecnologia é excludente, enquanto a gente conversa virtualmente pelas salas de reunião, orientamos pelo celular sobre como baixar o aplicativo pra quem está acompanhando a reunião pela primeira vez e também tiramos outras dúvidas sobre as informações que estão sendo apresentadas na sala, essa coisa do virtual gera essa frieza em si, mesmo querendo falar no microfone, muitos não conseguem usar”, relata Estela. Ela ainda complementa que a equipe de mobilização tem avaliado que, desde os GAAs, a participação vem melhorando bastante, a expectativa é que nas próximas Rodas o retorno dos atingidos e das atingidas seja ainda melhor. "Para além da roda os próprios grupos de WhatsApp são espaços de troca informações e de tirar de dúvidas. Quando saímos das Rodas as dúvidas estão mais afloradas, estão mais presentes, e isso é bom, pois acaba complementando e enriquecendo o nosso trabalho como assessoria”, completa a mobilizadora.

Próximas RDs


As Rodas de Diálogos acontecem de forma virtual para evitar a propagação da Covid-19. Já foram realizadas Rodas de Diálogos sobre Auxílio Emergencial, sobre os impactos na Saúde das pessoas atingidas e sobre danos à Cultura, esporte e lazer.


As próximas RDs estão marcadas para dia 29, terça-feira, e serão sobre Economia Trabalho e Renda e Povos e Comunidades de Tradição Religiosa Ancestral de Matriz Africana. Na quinta-feira, dia 01 de outubro, será a roda sobre Educação e Serviços Socioassistenciais. Os links serão enviados pelo WhatsApp.



AEDAS - Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social

© 2017 -  Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social

Rua Frei Caneca, 139, Bonfim - Belo Horizonte / MG - CEP: 31.210-530